468x60

Palavra de Vitória: A Ausência do Amor

A ausência do amor

Um legado que Jesus veio trazer e deixar aos seus, sem dúvidas, é o amor. Verdadeiro professor daquilo que ensinava e pregava, não bastaram a ele apenas palavras, decidindo, então, provar aquilo o qual tanto pregava.
Se comparado a uma árvore, o amor teria suas raízes e os seus frutos, onde as raízes poderiam ser igualadas aos princípios que só o amor poderia construir e os frutos seriam os fins, o resultado prazeroso que não vem a ferir, mas sim alegrar, dar paz, etc.
A notícia que corre e que ainda está no pensamento de todos os brasileiros é o massacre ocorrido no bairro de Realengo RJ em uma escola comum aos olhos da população, pacata e sem alardes de violência.

“ Mackenzie, o mal é uma palavra que usamos para descrever a ausência de Deus, assim como usamos a palavra escuridão para descrever a ausência de luz, ou morte para descrever a ausência de vida...” (A Cabana, 123 e 124 Há muito tempo, num jardim muito, muito distante)

Uso agora o trecho de um livro, um diálogo muito interessante que me inspira a pensar e ter uma visão diferente mediante a uma triste realidade como esta. Um homem e inúmeras crianças, uma armadilha e presas com os minutos de suas vidas contados. A imprensa estuda e averigua o caso chegando a uma suposta conclusão que em seu passado o autor do massacre sofrera maus tratos, que sua família não era bem estruturada e vítima de amigos na escola, a ausência do amor. Agora, este mesmo homem que tivera um passado sofrido decide “se vingar” tirando a vida de crianças inocentes e fazendo sofrer os familiares das mesmas, a ausência do amor. Eis que de repente surge um novo contracenante nessa trama que eu poderia chamar de  “o povo”, o que ouvi a respeito desse crime me despertou, “ o povo” dizia: Ele não deveria morrer,tinha que viver pra sofrer mais, a ausência do amor. Ele tinha que ir preso para sofrer maus tratos em mãos de companheiros de sela, a ausência do amor.
Neste caso, considero que a raiz mal alimentada de uma árvore, que não recebeu os bons nutrientes que todo homem precisa para viver bem, é a ausência do amor, onde, uma raiz de amargura gerou mediante aos anos dentro do coração deste homem o mais terrível plano.
A verdadeira mensagem que quero passar é que perdemos tanto tempo criando julgamentos tentando discernir o bom e o ruim, chegando à conclusão desprezamos aquilo que vemos como ruim e simplesmente rejeitamos o legado recebido por Jesus. Mensagens de paz e amor surgem apenas com tragédias mobilizadoras e em tempos de bonança as pessoas esquecem-se do seu discurso de cidadão solidário e tornam a julgar e desprezar as supostas coisas ruins. A bíblia adverte que por aumentar as iniqüidades o amor de muitos se esfriaria, e hoje infelizmente vejo pessoas criando bases nessa mesma palavra para justificar sua falta de amor.
Quando a multidão gritava a condenação de Jesus esta estava sendo dominada pela ausência do amor, mas quando Jesus morria na cruz por esta Ele estava dominado pelo excesso de amor. Ele amou tanto que deu a si mesmo para morrer por nós e uma frase que chama muito a minha atenção é:
“Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” Lucas 23.34
Perdoar quem estava o matando é a prova maior do que é amar o próximo como a si mesmo. E hoje temo em perguntar quem seria capaz de amar o autor do massacre na escola de Realengo.
Será que somos capazes de repartir o pão com que pensa em nos trair? Será que somos capazes de perdoar a alguém que um dia nos feriu?
Não, não temos agido de tal forma, não estamos praticando o verdadeiro amor, que é o amor de Cristo. Praticamos, sim, o amor das condições que é regido segundo a nossa moral, segundo o que nos convém. Jesus está voltando e no céu quando for cobrar os nossos talentos e obras, quando for cobrar de nós o amor, o que diremos? O que faremos? Tornaremos a dizer pra Ele que nosso amor se esfriou pelo aumento das iniqüidades?
Temos condenado o próximo como condenaram a Jesus, mas deixamos de amar o próximo como amou Jesus.

“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, mas o maior destes é o amor” (I Co. 13.13). 



Texto Por: Eric Vieira Tuza

3 comentários:

  1. Mirna Anara disse...:

    Graça e paz,

    Amei o texto.Oremos pelo fluir do amor verdadeiro!

    God Bless you!
    www.vivendonoamor.blogspot.com
    Abraços.

  1. Anônimo disse...:

    Realmente o texto é uma benção!

  1. Nikolas Ribeiro disse...:

    Eric, meus parabenss, realmente o testo e lindoo, e verdadeiro.. devemos apreender caada dia mais do Mestre..abracaoo

    Nick

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Blog Diário de Vitórias © 2010 | Designed by Trucks, in collaboration with MW3, Broadway Tickets, and Distubed Tour